28 fevereiro, 2012

Logística reversa de medicamentos recebe parecer favorável da Secretaria de Saúde do Paraná [Mundo Logística]

A Logística Reversa de Medicamentos, projeto de lei do Deputado Cheida que define responsabilidades para a destinação de remédios em desuso no Paraná, recebeu parecer favorável da Secretaria de Estado da Saúde. A posposta segue, terça-feira (28), para a primeira discussão na Comissão de Constitucionalidade e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa.
Tramitação
Apesar de aprovado por unanimidade, o projeto de lei foi vetado pelo Governo do Estado no ano passado. Em um trabalho conjunto entre a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Conselho Regional de Farmácia, Secretaria de Estado da Saúde e Comissão de Meio Ambiente, a matéria recebeu contribuições. “Está readequada e ainda mais abrangente”, garante Cheida. “As mudanças propostas foram aceitas pelo grupo de trabalho”, assinalou o secretário de Saúde em exercício, René dos Santos, em ofício enviado no mês de dezembro.
Como funcionará
Quando descartados em lixo comum ou rede de esgoto, os medicamentos contaminam a água e o solo e ainda podem provocar reações adversas como intoxicação de animais e pessoas. É isso que a Logística Reversa de Medicamentos quer evitar. “São resíduos tóxicos para o meio ambiente e perigosos para a saúde que precisam ser devolvidos ao lugar certo a fim de que sejam neutralizados, melhorando a qualidade de vida de todos”, explica Cheida.
A projeto de lei de Cheida torna fabricantes, distribuidores e consumidores de medicamento responsáveis pelo recolhimento e destinação adequada de remédios em desuso. Funcionará da seguinte forma: o consumidor entregará os medicamentos aos estabelecimentos que os comercializam ou distribuem, como farmácias e postos de saúde, que terão um espaço especial para o armazenamento destes produtos. Fabricantes e importadoras de medicamentos ficarão responsáveis pelo recolhimento dos medicamentos e destinação final aplicável a cada caso. A proposta também prevê multa para quem descartar os medicamentos em local inadequado.
Cheida explica que o projeto envolve a participação de todos os atores envolvidos. “Cada um tem sua parcela de responsabilidade: o consumidor, as farmácias, os fabricantes e os importadores. Desta forma, dividem-se as atribuições de uma forma que todos podem colaborar”. O projeto ainda cria novas oportunidades de negócio, já que os resíduos são potencialmente recicláveis, compostos essencialmente por vidro e papel.

Fonte: Mundo Logística; disponível em http://www.mundologistica.com.br/portal/noticia.jsp?id=433 ; acesso em 28/02/2012.

27 fevereiro, 2012

Chocolates estreiam transporte multimodal por via fluvial na França [Logística & Transportes Hoje]

O grupo de chocolataria e confeitaria Ferrero e a STEF, empresa de logística do frio, lançaram uma operação em conjunto no transporte combinado rodofluvial entre Ruão e Paris. Pela primeira vez em França, os produtos industriais agroalimentares são transportados a uma temperatura controlada por via fluvial.
Esta operação de transporte será realizada semanalmente através da ligação fluvial Ruão/Gennevilliers, realizada pela sociedade MARFRET e gerida pela VNF (Voies Navigables de France: estabelecimento público sob a tutela do Ministério da Ecologia, do Desenvolvimento Sustentável, dos Transportes e da Habitação francês), explicam as duas empresas em comunicado.
Na fase inicial, o equivalente a um semirreboque transitará semanalmente desde o armazém da Ferrero em Grand-Quevilly, França, perto do Ruão, até ao porto de Gennevilliers, em Paris, para entrega num armazém de distribuidor em Marli-la-Ville.
“Combinar o transporte rodoviário com o fluvial é oferecer simultaneamente uma resposta perfeitamente adaptada às necessidades de entrega em massa da FERRERO e uma nova escolha futura para outros industriais de produtos frescos com um prazo de validade longo”, destaca Serge Capitaine, diretor-geral adjunto da STEF.

Fonte: Logística & Transportes Hoje (Portugal); disponível em http://www.logisticaetransporteshoje.com/news.aspx?menuid=8&eid=6286&bl=1 ; acesso em 26/02/2012.

Note: Um exemplo interessante da utilização do modal fluvial para transporte de produtos com valor agregado (alimentos com temperatura controlada).


24 fevereiro, 2012

Estudo sobre embalagem aborda meio ambiente [Portal Newtrade]

A ABRE – Associação Brasileira de Embalagem iniciou a coleta de dados da pesquisa desenvolvida pelo Comitê de Estudos Estratégicos da entidade e coordenada por Fabio Mestriner, denominada “A visão do setor de embalagem sobre a EMBALAGEM".
Através desta ação, a ABRE tem como principal objetivo conhecer a visão do profissional do setor em relação à embalagem, mediante temas relevantes. Por meio do serviço Survey Monkey serão pesquisadas questões como a embalagem e o meio ambiente; a embalagem e a sociedade; a embalagem e o consumo; a embalagem e a economia; a embalagem e a tecnologia e a inovação; e o futuro da embalagem.
O resultado da pesquisa impactará nas próximas ações da Associação, pois espera-se compreender e entender como os profissionais de embalagem enxergam sua contribuição dentro da cadeia produtiva do setor e, a partir disso, definir as diretrizes e estratégias para os anos seguintes.

A pesquisa está aberta a todos os interessados através do link http://www.surveymonkey.com/s/Z5D5YSV

Fonte: Portal Newtrade; disponível em http://www.newtrade.com.br/noticia/estudo-sobre-e-embalagem-aborda-meio-ambiente; acesso em 23/02/2012.

23 fevereiro, 2012

Cinco carreiras de destaque em logística [Apics]

Segundo a empresa de talentos Wanted Analytics, mais de 49.000 empregos na cadeia de suprimentos e gestão de operações foram publicadas on-line nos últimos três meses, um aumento de 24% em relação ao ano anterior. Michael Koploy, do blog Software Advice, apresenta o que ele considera as cinco carreiras que mais crescem no ramo da logística e as habilidades necessárias para ser bem sucedido.
Analista de planejamento de demanda. Este profissional alinha os níveis de estoque para a demanda do produto. O papel exige uma análise quantitativa, sendo a matemática uma ferramenta muito útil. Experiência com empresas de software de planejamento de recursos é um plus, assim como conhecimento da cadeia de suprimentos e gestão de operações e certificações.
Gerente de compras. Estes profissionais tem a responsabildiade de negociar com fornecedores e monitorar seus desempenhos. Capacidade de análise cuidadosa e habilidades de negociação são desejados, assim como experiência em cadeia de suprimentos e gestão de operações, estatística, marketing e vendas.
Supervisor de centro de distribuição. É o gestor do armazém e visa garantir que o centro de distribuição seja organizado e eficiente. O papel atualmente não exige certificações avançadas, mas uma compreensão dos princípios da cadeia de suprimentos é recomendada.
Consultor de cadeia de suprimento. Esses profissionais trabalham com muitos clientes para resolver problemas e melhorar o desempenho da cadeia de suprimentos. Formação em economia, engenharia e gestão da cadeia de suprimentos são requisitos desejáveis, podendo abrir portas para funções de gestão da cadeia ou de posições em empresas de consultoria independentes.
Serviços terceirizados de logística (3PL) - Gerente de desenvolvimento de negóciosAtuando em  3PL (operadores logísticos), esses trabalhadores impulsionam novos negócios e gerenciam relacionamentos com clientes. Conhecimentos básicos de centrais de abastecimento, conceitos de gestão da cadeia, bem como experiência de mercado são importantes para esta carreira. Uma compreensão de vendas ou gestão de contas também é útil.

Fonte: Informativo Apics - The association for operations management, Vol. 12, N. 4, 21/02/2012. Tradução própria.

05 fevereiro, 2012

Agricultura do PR passa por Paranaguá [Portal Webtranspo]

Os agricultores paranaenses optaram pelo porto de Paranaguá para exportar sua produção, tanto é que passaram por lá, 77% da soja em grão, 81% do milho, 72% do trigo e 95% do açúcar da safra 2010-2011 do Estado. Estes produtos ajudaram o terminal a registrar o recorde de 41 milhões de toneladas movimentadas no período. O resultado também fez com que o porto chegasse à participação de 25% do transporte brasileiro de cargas no complexo soja (grãos, farelo e óleo), superando Santos (SP) e Rio Grande (RS).
“Este resultado reflete a atenção que dedicamos aos produtores paranaenses neste ano, buscando novos parceiros, oferecendo estabilidade para novos projetos. Assim recuperamos parte das cargas que haviam migrado para Estados vizinhos”, destaca José Richa Filho, secretário estadual da Infraestrutura e Logística. O terminal, por exemplo, respondeu pela movimentação de 12,2 milhões de toneladas de soja, de um total de 15,4 milhões de toneladas produzidas no Paraná.
Airton Maron, superintendente da Appa (Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina), destacou que o resultado foi fruto de uma série de ações para ampliar a competitividade do terminal. Dentre as medidas adotadas, ao longo de 2011, estiveram melhorias das operações, recuperação de equipamentos, dragagem emergencial, bem como aproximação das autoridades de Paranaguá com os operadores e com as agências reguladoras.
“O próximo passo é começar a investir, para expandir. Em breve vamos licitar as obras de repotencialização do corredor de exportações, que permitirão dar um salto ainda maior”, destacou o superintendente.
De acordo com Alfredo Matthiesen, presidente do CAP (Conselho da Autoridade Portuária) do Porto de Paranaguá, representante da SEP (Secretaria Especial de Portos) no Conselho, o terminal está mais dinâmico com a nova administração. “Aumentou a integração dos atores do setor portuário. A credibilidade cresceu e os exportadores hoje estão mais seguros de usar as instalações e os serviços do porto de Paranaguá”, destacou.

Fonte: Portal Webtranspo; disponível em http://www.webtranspo.com.br/aquaviario/24095-agricultura-do-pr-passa-por-paranagua ; acesso em 05/02/2012.