26 março, 2013

Encontrando uma linguagem comum para cadeias de abastecimento resistentes a desastres [Knowledge Wharton]

Resumo do artigo Finding a Common Language for Disaster-resistant Supply Chains, publicado no site Knowledge Wharton. 

Quando o vulcão Eyjafjallajökull da Islândia entrou em erupção em 2010, vôos sobre o Atlântico foram interrompidos durante dias, e as cadeias de fornecimento globais de produtos como frutas e flores frescas foram severamente interrompidas. Quando um tsunami e uma crise nuclear atingiram o norte do Japão, em 2011, as montadoras e fabricantes de eletrônicos na Ásia e América do Norte lamentaram que alguns fornecedores-chave não poderiam cumprir com suas datas de entrega, forçando lentidão em suas escalas de produção e frustrando compradores. Nesses e em outros casos, muitas empresas têm sido impedidas pelo fato de não haver nenhuma maneira de prever onde e quando o próximo desastre natural ocorreria.
Que tipo de análise - e iniciativas estratégicas - as empresas devem adotar, a fim de mitigar os seus riscos de cadeia de fornecimento a curto e longo prazos? Que lições foram aprendidas com a crise dos últimos anos? Estimulados por um forte aumento na preocupação com eventos climáticos extremos, grupos de discussão de líderes, como o Fórum Econômico Mundial (WEF) e do Council of Supply Chain Management Professionals (CSCMP) têm intensificado os seus esforços para a criação de referência gerais e normas comuns para avaliar e aprovar iniciativas de mitigação de riscos, que sejam pró-ativas e estratégicas.O Fórum Econômico Mundial de 2011 iniciou estudos sobre os riscos e vulnerabilidades sistêmicas de cadeias de suprimentos globais e redes de transporte. Seu relatório inicial sobre essa iniciativa, lançado na reunião anual 2012 do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, examinou  esses riscos que causam perturbações graves nas cadeias de fornecimento globais, destacando a necessidade das empresas mudarem sua atenção de uma postura reativa para uma pró-ativa.Em janeiro, o Fórum Econômico Mundial publicou um plano geral para cadeias de suprimentos resilientes com base em quatro componentes principais: parcerias tecnológicas, política, estratégia e informação.
Entre as principais recomendações do relatório estão: institucionalizar um processo de avaliação de risco de base ampla e internacional; mobilizar organismos internacionais de normalização para desenvolver, harmonizar e incentivar a adoção de padrões de resiliência; incentivar organizações a adotar estratégias ágeis, adaptáveis ​​para melhorar a resiliência comum e expandir o uso de plataformas de compartilhamento de dados para identificação de riscos e respostas. O relatório também destacou três exigências que surgiram a partir de workshops patrocinados pelo WEF e diálogos realizados nos últimos meses: em primeiro lugar, a necessidade de um vocabulário comum quando se fala de risco, em segundo lugar, a necessidade de melhoria dos dados e informações entre os envolvidos com a cadeia de suprimentos, e em terceiro lugar, a necessidade de maior agilidade e flexibilidade nas estratégias de resiliência.Council of Supply Chain Management Professionals (CSCMP), também apresentou aos seus membros uma estrutura formal de identificação das causas e dos impactos de vários tipos de riscos comumente presentes nas cadeias de abastecimento, chamado como Estrutura de Identificação de Riscos da Cadeia (SCRIS), que se destina a criar uma linguagem comum para os profissionais da cadeia de fornecimento para enfrentar os desafios enfrentados por empresas de todos os tamanhos e em todos os setores.Entre outros estudiosos, o professor de administração da Wharton, Marshall Fisher, observa que poderia ser tentador para as empresas prever a probabilidade dos vários riscos existentes nas suas cadeias de suprimentos e se preparar para essas contingências específicas. No entanto, acrescenta, "muitas coisas podem dar errado, e são impossíveis de serem previstas, assim como as suas consequências."
 


Fonte: Finding a Common Language for Disaster-resistant Supply Chains - Knowledge Wharton; disponível em http://knowledge.wharton.upenn.edu/article.cfm?articleid=3193 ; acesso em 17/03/2013.
 

19 março, 2013

SEBRAE desenvolve curso de capacitação profissional para motoristas [Brasil Caminhoneiro]

Assista a matéria do programa Brasil Caminhoneiro sobre curso de capacitação para profissionais do setor de transporte desenvolvido pelo SEBRAE, disponível no endereço: http://www.brasilcaminhoneiro.com.br/V4/webtv/index.php?iv=42683&cv=1&pgm=166/?utm_source=news069&utm_medium=email069&utm_content=tv02069&utm_campaign=news069 .

Fonte: Programa Brasil Caminhoneiro; acesso em 17/03/2013.

13 março, 2013

Para custo logístico baixar, seriam necessários R$ 54,7 bi [Logweb]

Para alcançar uma redução de R$ 13,1 bilhões anuais no custo logístico de transporte das mercadorias que passam pelo Sul, Norte e Nordeste do Brasil, seriam necessários investimentos de R$ 54,7 bilhões nas rodovias, ferrovias, portos e hidrovias locais. Porém, apenas 24,6% do valor necessário estão sendo alocados nos projetos em andamento, que somam apenas R$ 13,5 bilhões. O restante - R$ 41,2 bilhões - não saiu do papel ou sequer foi transformado em projeto. A melhoria da infraestrutura nessas regiões beneficiaria diretamente os negócios da indústria mineira, em decorrência do fluxo comercial dentro do país.
O estudo foi divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e tem como objetivo elaborar um planejamento estratégico de infraestrutura, de modo a aliviar um dos mais elevados custos do setor em todo o Brasil, que é o de transporte, segundo a analista de Políticas e Indústria da entidade, Ilana Dalva Ferreira.
Inicialmente, foi detectada a necessidade de elaboração de projetos em 524 trechos nessas três regiões, incluindo todos os modais. Nesse caso, o gasto seria de aproximadamente R$ 193 bilhões. Porém, foram elencados 205 projetos prioritários, levando-se em conta custo e retorno, que demandariam R$ 54,7 bilhões em investimentos. "Nós selecionados alguns projetos principais porque sabemos que a efetivação de obras em 205 trechos seria impossível", afirma a especialista.
Conforme o levantamento, a região Nordeste é a que mais necessitaria de investimentos, com um total estimado em R$ 25,8 bilhões. No Sul seriam demandados R$ 15,2 bilhões e no Norte R$ 13,7 bilhões. Do total, R$ 24,8 bilhões seriam gastos na melhoria e construção de ferrovias; R$ 16,2 bilhões em portos; R$ 9,4 bilhões em rodovias; e R$ 4,2 bilhões em hidrovias.
Caso esses aportes se tornem realidade, levando-se em conta o fluxo estimado de mercadorias em todo o país e que percorrerão essas regiões em 2020, haveria uma redução de R$ 13,1 bilhões no custo logístico de transporte. No Nordeste, espera-se um gasto de R$ 69,4 bilhões para movimentar o volume estimado de produtos. Com as alterações nos modais, espera-se reduzir em R$ 5,9 bilhões, alcançando R$ 63,5 bilhões. Na Amazônia Legal, a queda seria de R$ 3,8 bilhões, saindo de R$ 33,5 bilhões para R$ 29,7 bilhões. E no Sul a redução seria de R$ 3,4 bilhões, ao passar de R$ 47,8 bilhões para R$ 44,4 bilhões. Diário do Comércio

Fonte: Portal Logweb; disponível em http://www.logweb.com.br/novo/conteudo/noticia/31587/para-custo-logistico-baixar-seriam-necessarios-r-547-bi ; acesso em 13/03/2013.