31 dezembro, 2012

Nestlé Waters e Ambev formam acordo de distribuição [Portal Newtrade]

A Nestlé Waters, divisão de águas do Grupo Nestlé, e a Ambev acabam de fechar um acordo para distribuição das marcas de água Nestlé Pureza Vital e São Lourenço. Válido para a Região Sudeste e para os Estados do Paraná e da Bahia, neste último exclusivamente para a marca São Lourenço, a Nestlé se beneficiará da ampla malha de distribuição da Ambev. Já a Ambev complementará seu portfólio de bebidas ao oferecer as águas da Nestlé. O acordo estratégico destina-se aos canais bar, mercearias, padarias, adegas e supermercados de pequeno e médio porte.
“A expertise da Ambev com a operação logística vai assegurar que o consumidor encontrará nossos produtos em mais locais e pontos de venda com o reconhecido padrão de qualidade Nestlé. Este acordo contribuirá para acelerar nosso crescimento e será, sem dúvida, um win-win para ambas as partes.”, afirma Alexandre Carreteiro, diretor geral da Nestlé Waters no Brasil.
Segundo Ricardo Moreira, diretor de Refrigenanc (refrigerantes e não carbonatados) da Ambev, “o portfólio de bebidas não alcoólicas, que já conta com marcas Pepsi, Guaraná Antarctica, Soda Limonada e Sukita, entre os refrigerantes, Lipton, no segmento de chás gelados, Gatorade, líder entre os isotônicos, e com o energético Fusion, agora encontra este complemento perfeito com marcas de águas muito reconhecidas, agregando valor aos consumidores e clientes.”
Serão distribuídas Nestlé Pureza Vital e São Lourenço, com e sem gás, em embalagens de 300 ml; 510 ml; 1,2l e 1,5l. O acordo contemplará a Região Sudeste e os Estados do Paraná e Bahia, áreas de maior consumo de água engarrafada em embalagens de pequeno formato (menos de 20l). Trata-se de um mercado total de 13 bilhões de litros no Brasil e que já movimenta US$ 8,2 bilhões, de acordo com informações da consultoria Zenith International.
Os termos da parceria já foram aprovados pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).
 
Fonte: Portal Newtrade; disponível em http://newtrade.com.br/noticia/nestle-waters-e-ambev-estabelecem-acordo-de-distribuicao ; acesso em 31/12/2012.
 
Nota: Em tempos de restrições de trânsito de veículos de transporte de cargas, controle de custos operacionais, redução na emissão de gases de efeito estufa, é forte a tendência de realização de acordos semelhantes ao descrito aqui. Neste contexto, cada vez mais, as empresas buscam identificar similaridades e oportunidades de compartilhamento de suas estruturas. Aproveitando a oportunidade, desejamos um excelente 2013 a todos que acompanham o Armazena e Movimenta!

24 dezembro, 2012

Comércio eletrônico luta para entregar produtos a tempo [Jornal Nacional]

Assista a matéria apresentada na edição de 22/12/2012 do Jornal Nacional sobre o esforço de empresas de comércio eletrônico para entrega dos produtos vendidos antes do Natal.

Fonte: Jornal Nacional; disponível em http://g1.globo.com/jornal-nacional/videos/t/edicoes/v/comercio-eletronico-luta-para-entregar-produtos-a-tempo/2309310/ ; acesso em 23/12/2012.

18 dezembro, 2012

Indústria paranaense assume compromisso com a logística reversa [Observatório da Indústria - FIEP]

O governador Beto Richa [do estado do Paraná], o secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Jonel Yurk, e o presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, assinaram na segunda-feira (10/12) os termos de compromisso de 11 setores da economia paranaense com a Logística Reversa. A medida visa adequar o setor produtivo do Estado para atender à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), aprovada pelo Congresso Nacional em 2010, que institui a obrigatoriedade da Logística Reversa, ou seja, o caminho contrário que o produto faz após o seu consumo, passando por toda cadeia produtiva, voltando até o fabricante, que lhe dará a destinação final ambientalmente correta.
No Paraná, esta regulamentação é conduzida pela Sema, que lançou este ano um edital convocando a indústria do Estado a se comprometer com esta prática, que envolve também o comércio, importadores e os consumidores. Dos 100 sindicatos industriais de base estadual filiados à Fiep, 65 já se comprometeram com a secretaria.
A convocação tem como objetivo construir a proposta para Logística Reversa de forma conjunta, pelo governo e pela indústria do Estado. Segundo o governador, o diálogo foi a tônica dessas discussões “Assinamos um pacto com as indústrias, em um processo democrático e transparente. Quem ganha com isso é a natureza e todos nós. Fico feliz de ter essa parceria produtiva e de resultados extraordinários para nosso Estado”, disse.
 
Fonte: Observatório da Indústria - FIEP; disponível em http://www.fiepr.org.br/boletimobservatorio/News10739content202956.shtml ; acesso em 17/12/2012.

13 dezembro, 2012

Infraestrutura precisa atrair US$ 100 bi por ano [Portal Logweb]

Os investimentos em infraestrutura no Brasil poderão alcançar entre US$ 500 bilhões e US$ 700 bilhões em cinco anos. A estimativa é da presidente da Standard & Poor's para o Cone Sul, Regina Nunes.
"É uma média de US$ 100 bilhões por ano de recursos necessários para modernizar vários setores fundamentais para o País, como rodovias, portos e aeroportos", afirmou. Segundo ela, entre esses recursos está uma parcela dos investimentos previstos para o pré-sal que, se fossem considerados integralmente, elevariam o montante para US$ 1 trilhão.
Ela apontou que a própria classificação de risco do Brasil poderia ser elevada se o País tivesse uma melhor infraestrutura - a nota do Brasil é BBB, cuja perspectiva estável tem viés positivo para o médio prazo.
A presidente da Standard & Poor's se mostrou otimista e disse acreditar que, conforme os novos investimentos forem sendo feitos, isso deve ocorrer. "Na medida em que os investimentos do setor de logística e transportes começam a maturar, em poucos anos isso vai reduzir os custos das empresas, o que vai baixar pressões sobre inflação e elevar o PIB potencial."
Velocidade. O presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), Bernardo Figueiredo, concorda com a importância da infraestrutura para o desempenho do Brasil. "Temos de utilizar a infraestrutura como fator indutor da atividade econômica", disse. "Precisamos ter uma logística que dê competitividade ao nosso setor produtivo."
Mas ele admitiu que o governo tem deixado a desejar no ritmo de execução das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Figueiredo defendeu, porém, o programa e afirmou que o nível de execução vem melhorando.
"O PAC trouxe uma grande novidade, que é o fato de todas as obras terem recursos para começar e acabar. Ele trouxe essa condição financeira para executar as obras. Também trouxe para o setor público o compromisso com prazos. Hoje só é possível identificar atraso nas obras porque há um cronograma", disse, ressaltando que a cada quatro meses o governo presta contas à sociedade sobre o andamento dessas obras. [O Estado de S.Paulo]
 

09 dezembro, 2012

Tesco (Home Plus) - Vitrines virtuais

O vídeo abaixo mostra a solução adotada pela Tesco (Home Plus) para aumentar suas vendas na Coréia sem que fosse necessário abrir novas lojas. Um ótimo exemplo da aplicação de criatividade e tecnologia a serviço do varejo.