05 novembro, 2012

Esteja pronto para dizer adeus à cadeia de suprimentos como nós conhecemos [DC Velocity]

O som do alerta de H. Ross Perot está de volta. Só que desta vez não é o México que desvia empregos nos EUA em um mercado pós-NAFTA. Na verdade, não tem nada a ver com empregos ou México. Pelo contrário, são os usuários finais tirando o controle dos produtores e retalhistas na cadeia de suprimentos.
A mudança para uma "demand-pull", modelo que tem sido assunto de muito debate desde que a Internet se tornou um canal comercial sustentável. Mas, como o e-commerce explode, a influência dos usuários finais é cada vez mais forte. Essas pessoas têm expectativas muito claras quando se trata de como e quando os itens serão entregues.
Na visão de futuro das empresas, o debate está dando lugar à ação. Vários meios de comunicação, incluindo o DC Velocity [http://www.dcvelocity.com], têm relatado que a Amazon.com está pronta para ampliar seu nível de serviço, para que ela possa realizar entregas no mesmo dia. Há alguns dias, em meados de outubro, foi noticiado que o Wal-Mart e o site de leilões online e-Bay estavam testando entregas no mesmo dia. Não ficariamos surpresos de ver outros varejistas ir pelo mesmo caminho.
Na frente, a UPS Inc. há 14 meses apresentou um serviço chamado "My Choice", que deu ao consumidor a flexibilidade de escolher quando e onde ele quer que os pacotes sejam entregues.
O lançamento foi o reconhecimento da UPS que, pela primeira vez em sua história de 105 anos, alterou a sua forma de entrega de pequenas encomendas. "Nossos clientes sempre foram os carregadores", disse Alan Amling, vice-presidente da UPS, na recente Conferência Global Anual do Conselho de Profissionais de Supply Chain Management (CSCMP) .
Wal-Mart, Amazon e UPS são diferentes tipos de empresas a seguir caminhos diferentes. Mas seus destinos são os mesmos: as carteiras dos usuários finais. Muitos desses usuários finais estão na faixa de idade de 35 anos e desejam seus bens como, quando e onde eles querem, e com frete grátis.
Em uma apresentação na conferência CSCMP, a transportadora regional OnTrac usou a frase "Da minha maneira, de imediato, por que pagar?" para descrever a atitude do grupo etário 18-34. A mentalidade pode passar por arrogância, mas as empresas não podem ignorar este pensamento. Apesar de uma economia lenta [nos EUA], consumidores da Geração Y aumentaram seus gastos em 31% no ano passado, segundo dados da Forrester Research citados na apresentação da OnTrac.
Quanto ao que o futuro reserva, a Forrester prevê que as vendas on-line, que atingiram US$ 200 bilhões em 2011, vão crescer 60% ao longo dos próximos cinco anos. As transações Business-to-Consumer [B2C] já representam mais de 40% de todo o tráfego de encomendas, uma relação que tende a aumentar.
Dadas essas tendências, parece claro que a cadeia de fornecimento de 2020 ficará radicalmente diferente do que é hoje. O transporte rodoviário atuará em menores distâncias. Vários hubs aéreos e terrestres surgirão. Armazéns e centros de distrbiução serão projetados e localizados com o modelo de atendimento ao consumidor em mente, e irão operar no round-the-clock-mode com robôs desmembrando paletes em pequenas remessas num ritmo em que o trabalho manual não pode igualar. As companhias regionais de encomendas que já trabalharam muito tempo na sombra da UPS e FedEx vão prosperar para atendimento de demandas de curta distância, serviços de entrega flexíveis, que são sua especialidade. E haverá novas oportunidades de emprego, como carregadores, transportadores, terceiros, e armazéns, criando posições de alto nível dedicados ao atendimento do e-commerce.
Para a maioria, se não para todos, a estratégia e execução será destinada a satisfazer uma nova classe de poder: o usuário final.

Fonte: DC Velocity: Get ready to say goodbye to the supply chain as we know it; disponível em http://www.dcvelocity.com/articles/20121029-get-ready-to-say-goodbye-to-the-supply-chain-as-we-know-it/ ; acesso em 02/11/2012; tradução livre.

Nenhum comentário: